Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Crónicas de uma filha Atrapalhada

Lembram-se da pequena Bá do blog "Crónicas de uma mãe atrapalhada." Pois,ela cresceu! E agora exigiu que existisse também a sua versão de filha num blog a quatro mãos.

Crónicas de uma filha Atrapalhada

Lembram-se da pequena Bá do blog "Crónicas de uma mãe atrapalhada." Pois,ela cresceu! E agora exigiu que existisse também a sua versão de filha num blog a quatro mãos.

Notícias da Bá

folhetpdophff.jpg

Excerto de um folheto publicado no agrupamento onde a minha filha estuda durante a Pandemia.

Está melhor. Mais calma. Aos poucos reconheço de novo a minha filha. Vou-vos confessar sempre fui muito independente e psicólogos e psiquiatras, tudo o que invadisse a minha privacidade, aquela que escolho não expor, me retraíam, mas há alturas em que procurar ajuda é o melhor que fazemos.

Talvez se eu tivesse tido ajuda na adolescência não teria hoje de lidar com os ataques de pânico. E provavelmente já não precisaria de ajuda também.  O cansaço, o stress, a sobrecarga familiar e de trabalho levaram-me a parar e a pedir ajuda e não me arrependi de o fazer. Por isso quando vi a minha filha sem pé, sem chão também não hesitei em o fazer.

Alguns dos sonhos da Bá foram adiados a música continua nos planos, mas não era a hora certa, porque ela ia precisar melhorar e não tinha quem a ajudasse na pandemia. Assim escolheu a área de artes porque é o que gosta.

O regresso à rotina das aulas e ao convívio com os colegas , por pouco que seja pois ela evita estar muito tempo na escola sem ser necessário, estão a fazer-lhe bem.

 

O acompanhamento médico também tem sido muito positivo.

A ansiedade não é uma desculpa de pessoas preguiçosas, vi a  minha filha num sofrimento indescritível e senti-me impotente para ajudar, pois a minha própria ansiedade bloqueava-me ao vê-la naquele estado.

Acho que agi bem. Na hora certa pedir a ajuda necessária e ultrapassar aquele sentimento de ter falhado como mãe.

Ela sabe que o meu amor  é incondicional e por vezes há que reconhecer que os nossos filhos precisam de ajuda e que essa ajuda às vezes tem de vir de pessoas especializadas para lidar com estas situações.

Fica o testemunho para que se um dia passarem pelo que nós passámos procurem a ajuda.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.